Live: Atlântico Negro, Haiti e Constitucionalismo nas Américas

No dia 10/07/2020, tive o prazer de receber a Profª Raiza Canuta em live no Instagram para discutirmos Atlântico Negro, Haiti e Constitucionalismo nas Américas. Falamos sobre os impactos do Atlântico Negro e da Revolução Haitiana no constitucionalismo na América Latina e os reflexos no racismo estrutural até hoje.

Quer sugerir temas e/ou convidados para próximas lives? Deixa aqui nos comentários! Não esquece de curtir e compartilhar com quem você acha que pode aprender com esse vídeo.

As referências mencionadas estão listadas abaixo:

  • ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.
  • BENJAMIN, Walter. O anjo da história. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.
  • CHARLES, E.; DUARTE, P.; VINÍCIUS, M.; QUEIROZ, L.; HAITIANA, R. A Revolução Haitiana e o Atlântico Negro : o constitucionalismo em face do lado oculto da modernidade. Direito, Estado e Sociedade, v. 49, n. jul/dez, p. 10–42, 2016.
  • DUARTE, E. P.; SÁ, G. B. DE; QUEIROZ, M. V. L. Os locais e as ausências da diáspora africana no Novo Constitucionalismo Latino-americano. Anais do II Simpósio Internacional Pensar e Repensar a América Latina. Anais…2016
  • FREYRE, G. Casa grande e senzala. São Paulo: Global, 2006.
  • GILROY, P. O Atlântico Negro: Modernidade e dupla consciência. Trad. Cid Knipel Moreira. Rio de Janeiro: Editora 34, 2001.
  • JAMES, C.L.R. Os jacobinos negros: Toussaint L’Ouverture e a revolução de São Domingos. São Paulo: Boitempo, 2000.
  • LINEBAUGH, P. e REDIKER, M. A hidra de muitas cabeças. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
  • ORTEGAL, L. Colonialidade, dependência e diáspora. Serv. Soc. Soc, v. 133, n. set/dez, p. 413–431, 2018.
  • QUEIROZ, M.V.L. CONSTITUCIONALISMO BRASILEIRO E O ATLÂNTICO NEGRO: A experiência constitucional de 1823 diante da Revolução Haitiana. Dissertação de Mestrado. Brasília: Universidade de Brasília, 2017.
  • REIS, J.J. De escravo a rico liberto: a história do africano Manoel Joaquim Ricardo na Bahia oitocentista. “Rev. Hist. (São Paulo)”, n 174, jan-jun, 2016.
  • RIBEIRO, G.S. O desejo da liberdade e a participação de homens livres pobres e “de cor” na Independência do Brasil. “Cad. Cedes”, Campinas, v. 22, n. 58, p. 21-45, dezembro/2002.
  • VARGAS, J.H.C. A Diáspora Negra como Genocídio. Revista da ABPN, no. 2, Ju.-Out. 2010.
  • WOLKMER, A. C.; BRAVO, E. E. M.; FAGUNDES, L. M. Historicidade Crítica do Constitucionalismo Latino-Americano e Caribenho. Revista Direito e Práxis, v. 8, n. 4, p. 2843–2881, 2017.

Publicado por Érica Rios

Professora de Direito, pesquisadora interdisciplinar e palestrante. Mestra e Doutora em Políticas Sociais e Cidadania (UCSal). Coordenadora do Núcleo de Pesquisa Conflitos, Estados e Direitos Humanos (NP CEDH) Membro da Comissão de Direitos Humanos do Instituto de Advogados da Bahia (IAB) Membro da International Law Association (ILA)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: